Patrocinado

Celesc registra aumento no índice de inadimplência de 33% no primeiro semestre 

Celesc registra aumento no índice de inadimplência de 33% no primeiro semestre 

No primeiro semestre de 2020, a Celesc registrou um aumento de 33% na inadimplência dos consumidores de energia elétrica em sua área de concessão. 

Essa alta foi puxada, especialmente, pelas classes de consumidores industriais e comerciais.

Foram 80% e 66% de aumento, respectivamente, em comparação aos primeiros seis meses de 2019. 

 

Em julho, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinou às distribuidoras de todo o país o retorno da suspensão do fornecimento de energia elétrica por falta de pagamento a partir de 1º de agosto de 2020. 

A diretriz foi uma revisão da Resolução Normativa nº 878/2020, aprovada no último mês de março.

 

De acordo com o gerente do Departamento de Recuperação de Receitas, Fernando Kaszewski,  o consumidor receberá uma nova notificação sobre a existência de pagamentos pendentes, mesmo que tenha sido comunicado anteriormente. 

O aviso irá na fatura informando a partir de que data poderá ocorrer o corte, previsto para 15 dias após o cliente receber o alerta.  

Por isso, a previsão é de que os cortes na área de concessão da Celesc devam ser retomados na terceira semana do mês de agosto.

 

Continua proibido o corte para alguns grupos de consumidores, enquanto durar o estado de emergência em função do coronavírus (atualmente esse prazo vai até o final de 2020). 

 

São eles:

 

  • Consumidores de baixa renda (cerca de 36 mil famílias cadastradas no estado).

  • Unidades onde more pessoa que dependa de equipamentos elétricos essenciais à preservação da vida (são 2,3 mil famílias cadastradas na Celesc).

 

Continua suspenso o processo de cancelamento da tarifa social de energia elétrica, sendo que seu reinício será realizado de acordo com as disposições do Ministério da Cidadania.

 

Parcelamento de débitos 

 

Em alguns casos, é possível optar pelo parcelamento de débitos pendentes. 

Essa solicitação pode ser feita por meio da agência web, de maneira prática e sem burocracia. 

Clientes residenciais, rurais e demais classes de consumidores com fornecimento em tensão inferior a 2,3 kV, podem aderir ao parcelamento em até 12 vezes.

O valor do débito será atualizado com multa, juros e correção monetária.

Para isso, a unidade consumidora deve estar ativa ou com a energia cortada, não podendo estar desligada do sistema. 

O valor do débito deve ser entre R$ 450 e R$ 10 mil.

 

Demais casos o consumidor deverá procurar a Loja de Atendimento ou a Unidade da Celesc mais próxima. 

Para mais informações ou para optar pelo parcelamento via web acesse este site.

O presidente da Celesc, Cleicio Poleto Martins, explica que em virtude da pandemia, foram estendidas as parcelas em até 12 vezes também para consumidores com tensão de fornecimento superior a 2,3 kV. 

 

O parcelamento alcançou também o setor industrial de SC. 

Cerca de 700 indústrias parcelaram os débitos durante a pandemia, em um montante que, até o momento, soma R$ 68 milhões.



Patrocinado

Destaque Empresarial

Eventos gratuitos e online sobre desenvolvimento de sistemas e jogos

Proway promove encontros com especialistas dias 24 e 30 de setembro e 07 de outubro