Clique aqui para anunciar

Série Pacto Global 4: Princípios Universais para o Meio Ambiente

Série Pacto Global 4: Princípios Universais para o Meio Ambiente

Por: Fundação Fritz Müller

Esta é a nossa quarta publicação da Série Pacto Global, na qual falaremos sobre os princípios universais para o Meio Ambiente, fazendo um resumo de toda a situação ambiental do planeta nos últimos anos. Abordaremos o que já é e o que ainda pode ser feito para reduzir as principais fontes e causas de destruição da vida na Terra.

Dos 10 princípios universais do Pacto Global, 3 são voltados ao Meio Ambiente:

 

 

7.    As empresas devem apoiar uma abordagem preventiva aos desafios ambientais;
8.    Desenvolver iniciativas para promover maior responsabilidade ambiental; e
9.    Incentivar o desenvolvimento e difusão de tecnologias ambientalmente amigáveis.

A razão para a escolha destes princípios vem das mais urgentes necessidades detectadas para agir contra o aquecimento global, que começam pela reeducação da população mundial por meio de acordos entre as nações e iniciativas dentro de cada uma.

Agora você irá entender como estava a situação ambiental do planeta até 2012, suas previsões futuras e o que podemos fazer para contribuir com a mudança.

Panorama Ambiental Global (GEO-5)

Em junho de 2012, mais precisamente uma semana antes do início da Rio +20 (Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável), o PNUMA – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – divulgou o Panorama Ambiental Global (Geo-5), um relatório que apontava que apenas 4 das 90 metas e objetivos ambientais estipulados na Rio 92 haviam sido cumpridas.

Este foi o 5º panorama sobre a saúde ambiental do planeta, realizado pela primeira vez em 1997. As conclusões que ele trouxe mostravam o aspecto positivo para ser mantido e melhorado, além do aspecto negativo para que urgentemente começássemos a aprimorar e realizar mudanças de forma significativa.

POSITIVO: Houve progresso na eliminação e utilização de produtos químicos maléficos à camada de ozônio, na eliminação do chumbo dos combustíveis, assim como o aumento do acesso a fontes melhoradas de água potável e de pesquisas para a redução da poluição do ambiente marinho. A redução de riscos à saúde por causa dos combustíveis à base de chumbo também trouxe benefícios econômicos consideráveis, estimados em US$ 2,45 trilhões por ano.

NEGATIVO: O aspecto preocupante foi a detecção de que 40 metas não foram satisfatórias (muitas relacionadas à preservação ambiental) e 24, que envolvem alterações climáticas, estoque de peixes, desertificação e seca, praticamente não progrediram. Os mais alarmantes estavam relacionados à perda de recifes de corais no mundo, que são organismos vivos fundamentais para a manutenção da vida marinha e do homem. As principais funções dos recifes, são:

- Constituem uma barreira contra a força das ondas, evitando a erosão;

- Constituem uma fonte de proteínas para a alimentação da população costeira, com uma média de produção de 30 toneladas de mariscos por quilômetro quadrado anualmente;

- Fornecem alimento, abrigo e proteção a uma média de 1 milhão de espécies marinhas, sendo um importante viveiro para os peixes em crescimento;

- Proporcionam emprego através da pesca e do turismo.

Previsões com base no Relatório de 2012

Com base nos resultados do relatório também foram feitas previsões do que poderia acontecer de positivo e negativo até o fim do século:

- A perda anual de florestas caiu de 16 milhões de hectares na década de 90 para 13 milhões entre 2000 e 2010;

- China, Coreia do Sul e Índia continuarão promovendo energia renovável e eficiência energética por meio de metas voluntárias de redução de emissões;

- As emissões de gases de efeito estufa podem dobrar em 50 anos, elevando a temperatura global em, no mínimo, 3 graus Celsius no final do século;

- Haverá redução do PIB global por conta de perdas na agricultura, danos causados por eventos climáticos e maiores custos de saúde;

- Em um cenário normal, a região da Ásia-Pacífico irá contribuir com cerca de 45% das emissões de CO2 até 2030;

- É necessário que seja projetada uma retração urgente para frear a extinção de corais, além das diversas espécies (cerca de 20%) dos vertebrados ameaçados;

- É necessário reduzir ainda mais a pesca, que quadruplicou entre 1950 e 1990, devastando o estoque de peixes;

- Ações para a economia de água potável devem ser urgentes, pois enquanto os reservatórios de água subterrâneos se deterioram progressivamente, o consumo mundial triplicou nos últimos 50 anos e só cresce a possibilidade de que mais de 600 milhões de pessoas fiquem sem acesso à água potável e 2,5 bilhões sem saneamento básico;

- O Oeste da Ásia foi a região mais preocupante com relação à escassez de água e seu uso eficiente;

- Das 169 zonas costeiras mortas, apenas 13 estão se recuperando;

- Europa, América do Norte e Ásia-Pacífico são as que mais consomem recursos do planeta de forma insustentável.

O papel do Brasil

Não apenas no Brasil, mas em toda a América Latina e no Caribe, existe a maior biodiversidade do planeta, sendo estas áreas fundamentais para saúde ambiental, então é essencial que se mantenha e aprimore o cumprimento às políticas ambientais criadas para reduzir o desmatamento na Amazônia brasileira e na Colômbia, que já vinham trazendo resultados na diminuição de gases de efeito estufa provenientes da floresta.

Em 2012, no ano do relatório, a devastação florestal havia atingido seu menor índice desde 1988, quando satélites começaram a monitorar crimes ambientais na Amazônia. Mas, mesmo com esta boa notícia, é preciso conter o aquecimento global para que a floresta não seja parte devastada por secas e queimadas.

É necessário que trabalhemos firme no controle populacional e cuidados com a água (preservação de recursos hídricos, tratamento de esgoto e contaminação da água potável e oceanos), além de intensificar as políticas de preservação para um desenvolvimento sustentável e a busca pela erradicação da pobreza e da desigualdade social.

Soluções

Com base nesse relatório, a Conferência que ocorreu na semana seguinte definiu novos tratados para a biodiversidade, o clima e a desertificação, assim como a Agenda 21, que pode ser definida como “um instrumento de planejamento para a construção de sociedades sustentáveis, em diferentes bases geográficas, que concilia métodos de proteção ambiental, justiça social e eficiência econômica”.

Em 2012 as metas definidas são compatíveis com as que ainda buscamos implantar em 2016 e nos anos futuros. É uma caminhada lenta, mas que está acontecendo. A prioridade é a necessidade de programas de conscientização da importância e do impacto que a preservação do meio ambiente tem na vida humana e de todos os seres vivos do planeta.

É preciso criar formas de valorizar os ecossistemas, entendendo o quanto sua preservação é fundamental para a manutenção e a qualidade da vida de todos os seres vivos, por meio do oxigênio fornecido pelas florestas, a proteção geológica das bacias hidrográficas, o abastecimento de alimentos e matérias-primas para os mais diversos fins, além da real destruição que o aquecimento global é capaz de causar.

De modo geral, é preciso intensificar a consciência de que não existirá vida na Terra sem a preservação ambiental e que cada ser humano tem seu grau de responsabilidade sobre esta preservação por meio de seus princípios e atitudes para com seus semelhantes e o planeta.

LACRE SOLIDÁRIO

A Campanha Lacre Solidário é realizada desde 2012 pela FFM em parceria com o Rotary Club de Blumenau – Garcia. Foi planejada com o objetivo de instigar uma cultura socioambiental, tendo cunho voltado ao meio ambiente, tanto como uma reflexão sobre o descarte correto quanto do consumo consciente, além da mobilização em prol da qualidade de vida daqueles que necessitam das cadeiras de rodas.

Como participar

Para quem deseja ser um “posto de coleta” ou obter informações de onde há postos de coleta, e também para quem deseja indicar ou se cadastrar como beneficiário, todas as orientações estão disponíveis no site oficial da Campanha. Podem participar pessoas físicas ou jurídicas que estejam dispostas a promover o incentivo à Responsabilidade Socioambiental e ajudar a quem realmente precisa de uma cadeira de rodas.

Uma Ação reconhecida

Em reconhecimento ao trabalho desenvolvido, em 2014, a Fundação Fritz Müller recebeu o Prêmio Ser Humano Oswaldo Checchia, na modalidade Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social – Organização do Terceiro Setor. O prêmio é uma realização da Associação Brasileira de Recursos Humanos – ABRH e tem como objetivo reconhecer e valorizar as melhores iniciativas dedicadas ao desenvolvimento das pessoas.

Resultados do Projeto:

2012 – 9 cadeiras de rodas entregues

2013 – 21 cadeiras de rodas entregues

2014 – 39 cadeiras de rodas entregues

2015 – 45 cadeiras de rodas entregues

A 5ª edição da Campanha Lacre Solidário acaba de encerrar e, mais uma vez, com muito sucesso. Durante este ano de 2016, a solidariedade realmente fez a diferença. A Campanha arrecadou mais de 4 toneladas de lacres, o que rendeu a maior quantia de cadeiras de rodas de todos os anos. Elas serão entregues em um evento que acontecerá no dia 6 de dezembro em Blumenau/SC. Agora, a Fundação Fritz Müller estende o convite a você e seu círculo profissional, familiar e de amigos para continuarmos arrecadando lacres e proporcionar que em 2017 muito mais pessoas e instituições possam ser beneficiadas, além de aumentar o incentivo aos cuidados socioambientais por meio da reciclagem.

OUTRAS ATITUDES

Semana do Meio Ambiente

Em 2015 a FFM participou da comemoração da Semana do Meio Ambiente, realizando o evento de entrega do Livro “SUSTENTABILIDADE, Ações que transformam o mundo começam aqui”. O livro foi um projeto idealizado para a ação de cidadania da turma III do Projeto Pescar unidade FFM, Havan e Riffel, envolvendo a dedicação dos professores voluntários e dos alunos por meio de horas de estudo, pesquisa e todo processo de redação de textos que gerou conhecimentos sobre a sustentabilidade em Blumenau.

O evento contou com a presença das Sras. Helenice Luchetta, secretária municipal de educação, e Maria Isabel Porto Paez Schulz, gerente regional de educação, da gerência geral de educação – GERED, representando todas as escolas municipais e estaduais que seriam contempladas com o exemplar do livro.

Entre os municípios beneficiados contabilizamos as cidades de Blumenau, Pomerode, Ilhota, Gaspar e Luiz Alves, cidades que pertencem à gerência estadual de Blumenau.

A entrega dos exemplares foi realizada por alunos representantes da turma.

Sustentabilidade na Empresa – Para incentivar, seja exemplo.

Internamente, cada empresa pode fazer a sua parte por meio de atitudes que gerem algum tipo de economia e preservação, como por exemplo, a instalação de painéis de energia solar e cisternas para captação pluvial, além de espaços verdes e o incentivo à utilização de bicicletas. A implantação de iniciativas e atitudes como estas nas empresas é uma excelente maneira de levar a causa adiante, dando o exemplo e incentivando mais pessoas a fazerem a diferença e assumirem seu papel na sociedade.

Na próxima edição da Série Pacto Global, vamos falar dos Princípios Universais contra a Corrupção. Acompanhe na próxima semana.

Linha Direta

Fundação Fritz Müller
(47) 3057-8001
www.fundacaofritzmuller.com.br

Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado