Patrocinado

Prédio destruído pelo fogo foi erguido em 1931 para uma fábrica de chapéus

Prédio destruído pelo fogo foi erguido em 1931 para uma fábrica de chapéus

O prédio histórico destruído por um incêndio nesta madrugada foi construído em 1931.

 

O portal Notícias Vale do Itajaí cobriu o incêndio ao vivo. Veja imagens AQUI.

 

O imóvel foi projetado pelo arquiteto Simão Gramlich.

O local foi construído para sediar a fábrica de chapéus Nelsa.

De 1972 até o início dos anos 2000 o prédio serviu como sede do Jornal de Santa Catarina.

 

O incêndio começou por volta da da meia-noite de ontem.

A origem ainda é desconhecida.

Bombeiros de diversas cidades ajudaram no combate ao fogo.

A área atingida tem aproximadamente 1.500 m².

Não houve vítimas.

O local abrigava oito operações comerciais, entre elas a loja Herval Móveis e a tradicional Mortadella Ristaurante & Pizzeria, que não foi atingida.

 

O imóvel era histórico e sobre ele há informações no site da prefeitura.

Confira:

 

A Fábrica de Chapéus Nelsa, localizada na Rua São Paulo, tem elementos da linguagem Art Déco que fogem do padrão que Gramlich costumava desenhar, mas se destacam pelo porte. No projeto, a fachada é composta por três arcos, sendo que o primeiro deles, à esquerda, abrigava o setor administrativo. Após este havia o portão principal, e então mais dois arcos, onde funcionavam os setores de produção.

O efeito produzido por Gramlich com a sinuosidade dos arcos, o escalonamento das janelas e as linhas e colunas verticais em relevo remetem à elegância da melindrosa, figura feminina representativa para a Art Déco, que combinava o vestuário longilíneo de cortes retos sob um corpo esguio com, ao topo, a sinuosidade dos cabelos à “Lagarçonne”, e o chapéu, como aqueles produzidos pela Fábrica Nelsa.



Patrocinado
Patrocinado

Agenda

Osterdorf – Vila de Páscoa