Patrocinado
A direitona vai nos salvar da esquerda corporativista

Foto: Átila Alberti / Tribuna do Paraná

A direitona vai nos salvar da esquerda corporativista

CARLOS TONET

 

Educação: a direitona atrasada obsoleta preconceituosa irá nos salvar da esquerda avançada lacradora corporativista mamadora do estado ineficiente improdutiva.

Essa caganeira toda do corte de verbas na educação, manipulada pela esquerda e mal explicada pela direita, já obrigou as universidades a tirar suas bundas gordas da cadeira para começar a explicar para a sociedade o que fazem e o que não fazem.

O Brasil é um dos que mais gastam no mundo em educação, principalmente na superior, mas o dinheiro não vai pro papel higiênico ou pro muro da escola, vai pros mamadores, altos salários, gratificações, coordenações e dezenas de penduricalhos que as instituições inventam quando entra a grana.

E muito para as aposentadorias precoces especialíssimas a que nenhum brasileiro comum, pedreiro, jardineiro, pintor ou eletricista jamais sonharia.

Lembram que a Furb andou cortando centenas de gratificações de função quando a água bateu na bunda?

Pois bem, fez falta? Morreu alguém?

Essa turma da educação são assim: se entrar dinheiro, dão um jeito de gastar primeiramente repartindo a grana entre eles.

Os alunos, os museus, os ventiladores que se danem.

E ainda por cima inventaram essa desgraça de eleição direta em escolas e universidades, paralisando tudo por um ano enquanto os nego ficam de conchavo prometendo cargos e gratificações uns pros outros.

E ainda tem os professores, que convenceram todo mundo que com dois meses de férias por ano e se aposentando cedo são uns heróis tadinhos muito especiais e diferentes da costureira que fica 35 anos sentada na frente de uma máquina de costura com todas as dores de postura reumatismo e o escambau e que vai pruma facção vagabunda depois de aposentada, enquanto que o professor vai pra Perequê.

A direitona vai ajudar o Brasil ao despertar o país para os abusos na educação, sua ineficiência, comodismo, corporativismo, regalias injustificáveis e vitimização marqueteira.

 

Cuidados especiais que você deve ter ao ler a coluna de Carlos Tonet.


Patrocinado